Paçoca de carne do sol une duas delícias sertanejas

0
48

09Cleidiana Ramos

Fotos: Divulgação

Vou dividir com vocês um prato delicioso, que aprendi em família, bem à moda da culinária da Chapada Diamantina: paçoca de carne do sol. Essa gostosura vai bem com um café quentinho feito com o coador de pano. É ideal para se preparar para o friozinho que costuma fazer na região a partir do início da noite.

Na Chapada, as refei̵̤es costumam ser bem encorpadas. O caf̩ da manḥ re̼ne, na mesma mesa, aipim Рacompanhado de ovos fritos ou manteiga -, inhame, banana da terra cozida ou frita e um bom cuscuz.

No almoço, as preferências recaem para as carnes de caprino e a rainha dessas paragens: a carne de sol, que é bovina, mas passa por um processo de maturação com características que o nome à primeira vista pode enganar.

Depois de salgada, a carne é colocada à sombra – se deixada ao sol desidrata e fica dura – para passar ao menos uma noite ou “curtir o sereno”, como se diz na região. Assada, frita, acompanhada com aipim ou pirão de leite, fica uma delícia.

Carne de sol é uma das delícias da mesa na Chapada.

Mas essa receita que vou passar agora é muito comum na região da baixa Chapada, onde predomina a vegetação de caatinga, e reúne a carne de sol a outro alimento característico da região: a farinha de mandioca.

Antes se usava o pilão de madeira para a paçoca ficar bem batida.  Hoje o liquidificador substituiu o antigo equipamento usado para fazê-la, até porque ele se tornou cada vez mais raro. Mas o sabor continua inigualável.

Vamos à receita, que rende porção para quatro pessoas:

Ingredientes:

  • Meio quilo de carne de sol. Escolha um pedaço sem gordura;
  • Dois dentes de alho;
  • Óleo para fritar;
  • Uma cebola média;
  • 300 gramas de farinha de mandioca bem fina.

Modo de preparo:

  1. Corte a carne de sol em cubos e coloque para ferver apenas com água para tirar o excesso de sal.
  2. Em seguida, despeje a carne em um escorredor para tirar toda a água da fervura.
  3. Coloque o alho picado em uma frigideira para dourar; faça o mesmo com a cebola, que também deve ser picada.
  4. Frite a carne do sol e prove o sal. Se for necessário acrescente um pouco, mas geralmente o processo de fervura retém o necessário.
  5. Reserve o óleo usado na fritura.
  6. Coloque uma porção de carne frita com uma maior de farinha de mandioca no liquidificador e bata na função “pulsar”. Repita o processo até acabar toda a carne.
  7. Coloque a mistura na gordura usada para fritar a carne e vá mexendo até que ela fique sequinha.
  8. Agora é só servir acompanhada do café bem quentinho.

É para comer rezando, enquanto se admira as belas paisagens da Chapada.

Cleidiana Ramos é jornalista, nasceu em Cachoeira, mas cresceu em Iaçu, um dos municípios que compõem a Chapada Diamantina, onde a carne de sol feita de muitas formas é um dos pratos preferidos de nativos e visitantes.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Postagens sobre esse destino: