Caminhos do Sertão

    0
    180

     

    História, vegetação peculiar e festas marcam os Caminhos do Sertão

    Susana Rebouças

    Foto: Aristides Alves

    Um lugar conhecido pela resistência, recheado de paisagens peculiares e de religiosidade aflorada, o sertão é uma das regiões brasileiras mais afetadas pela estiagem. Mas não é por isso que deixa de oferecer belos cenários. Com fauna e flora exuberantes, rios que banham muitas cidades e manifestações socioculturais de encher os olhos, a região é muito mais rica do que se pode imaginar.

    Embora outras regiões da Bahia tenham as mesmas características, a rota turística envolve os municípios de Canudos, Cipó, Caldas do Jorro, Euclides da Cunha e a região do Raso da Catarina.

    Memórias de guerra

    A cidade mais famosa da região, Canudos, a 372 quilômetros da capital baiana, foi marcada pela guerra que destruiu completamente o arraial no final de 1897. Este é um dos lugares mais procurados pelos turistas, graças à sua história.

    Foto. Divulgação

    O Parque Estadual de Canudos, que preserva alguns pontos onde ocorreram as batalhas, como o Alto do Mário, o Alto da Favela e a Fazenda Velha – onde morreu o Coronel Moreira César (conhecido como “corta-cabeças” na guerra) –, é um dos pontos turísticos da cidade.

    Além disso, o Instituto Popular Memorial de Canudos (IPMC) preserva o Cruzeiro de Antônio Conselheiro, que foi crivado de balas durante as batalhas, contando, também, com uma coleção de arte popular inspirada na história do Belo Monte, com uma pequena biblioteca sobre a guerra e questões camponesas.

    O Museu Histórico de Canudos também é um dos pontos históricos e turísticos locais. No prédio estão peças da época da guerra, como antigas máquinas de costura, ferros de passar roupa, chaves e baú, pertencentes a moradores do arraial Belo Monte (Canudos), além de cartuchos, balas, espingardas, revólveres, facões e bainhas, que provavelmente foram utilizados durante a guerra.

    Canudos ainda tem o Memorial Antônio Conselheiro, mantido pela Universidade do Estado da Bahia (Uneb), que guarda objetos arqueológicos encontrados na região, além de roupas e máscaras usadas no filme “A Guerra de Canudos”, do carioca Sérgio Rezende.

    Para quem se interessa por questões ambientais, a Estação Biológica de Canudos conta com mais de 1.400 hectares, área de preservação da arara-azul-de-lear, que se encontra em extinção. Além de ser alvo de proteção ao habitat da ave, ela é usada para educação ambiental, manejo do licuri (ou ouricuri), estudos biológicos e trabalhos de fiscalização.

    Além de Canudos, a cidade de Euclides da Cunha ainda preserva a casa onde se hospedou o major Moreira César, na Praça da Bandeira; o painel de azulejos, que retrata a guerra, e o acervo do escritor e poeta José Aras, que ocupa uma sala do Educandário Oliveira Brito. A cidade hoje leva o nome do famoso jornalista e escritor que imortalizou Antônio Conselheiro no livro “Os Sertões”. A cidade é uma das melhores referências em hospedagem da região.

     Reinvenção como sobrevivência

    Algumas cidades do sertão se mantêm economicamente através do aproveitamento (e reaproveitamento) para a produção de alimentos e artesanato. Um dos elementos mais marcantes da região são as produções de artefatos feitos com couro.  Além disso, frutas como o umbu tornaram-se ingredientes essenciais para ações de economia solidária

    Em Uauá, conhecida como “a capital do bode”, a Cooperativa Agropecuária Familiar de Canudos, Uauá e Curaçá (Ccoopercuc), produz compotas, geleias, doces e até cerveja de umbu. A cooperativa tem mais de 270 sócios e emprega mais de 500 pessoas direta e indiretamente. O uso da fruta ainda gerou o Festival do Umbu, realizado desde 2008, geralmente no mês de fevereiro.

    Caldas do Jorro

    A cidade conhecida pelas águas termais que banham os visitantes, é um dos grandes polos de confecção e distribuição de artigos em couro, tendo forte comércio dos produtos dentro e fora da região. Quartas-feiras, sextas-feiras e domingos são os dias em que dezenas de barracas comercializam chapéus, calçados, roupas, tapetes e artigos de montaria.

    SHARE
    Previous articleCosta do Cacau
    Next articleRecôncavo